«Os consagrados e as consagradas são chamados, antes de tudo, a ser homens e mulheres do encontro. Com efeito, a vocação não começa a partir de um nosso programa, pensado de modo «teórico», mas de uma graça do Senhor que nos alcança, através de um encontro que muda a vida (Papa Francisco, Mensagem para a XX Jornada Mundial da Vida Consagrada, 2016).

Na tarde do dia 12 de janeiro de 2020 festa do Batismo do Senhor, os consagrados presentes na Diocese de Viseu, reuniram-se nesta cidade no Colégio da Imaculada Conceição das Irmãs Doroteias, tendo participado cerca de 50 pessoas das diferentes comunidades de vida consagrada.

Após o momento de acolhimento, e tendo presente o tema diocesano do ano pastoral: Batismo caminho de santidade, seguiu-se a Oração que nos colocou bem dentro do âmago da nossa vida, fazendo-nos experimentar e reviver a nossa condição de baptizados, consagrados e enviados. Diante dos nossos olhos tínhamos uma pequena oliveira, à volta da qual se encontravam os símbolos batismais: o óleo, o círio pascal, a água e a veste branca, de acordo com a proposta da diocese para o tempo do Advento e Natal.

Fomos convidados a deixarmo-nos ungir com óleo perfumado, que naquele momento foi colocado nas nossas mãos, pedindo a capacidade de sermos aroma de Deus em todos os meios onde somos enviados hoje. Ao acendermos a nossa vela na luz do círio pedimos que a mesma ilumine a nossa vida e a de todos aqueles de quem nos aproximamos. Na aspersão da água, imploramos que a mesma nos purificasse e transformasse em pessoas novas, chamados a fazer resplandecer a novidade do Reino de Cristo, com a garantia de que somente Ele nos ajuda a preservar limpa e digna a veste branca.

Apresentado pelo Pe Pedro Guimarães, da Congregação da Missão (Padres Vicentinos), tivemos depois o tema formativo «Batizados e Enviados Com o nosso carisma ao mundo em que vivemos».

A partir de Uma época “com História”, foram-nos apresentadas Algumas caraterísticas constitutivas da Sociedade Digital, acompanhadas de várias citações bíblicas muito incentivadoras:

  1. Globalização: «ides receber uma força e sereis minhas testemunhas até aos confins do mundo» (Act 1, 8).
  2. Tempo – Espaço: «era por volta da hora sexta» (Jo 4, 6).
  3. Pessoa: «levanta-te, toma a tua enxerga e anda» (Jo 5, 8).
  4. Família: «e Jesus crescia em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens» (Lc 2, 52).
  5. Sociedade: «que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua vida?» (Mc 8, 36).
  1. Igreja, Corpo de Cristo: «não nos ardia o coração, quando Ele nos falava pelo caminho?» (Lc 24, 32).

 

Por fim, Consagrados, uma comunidade comunicativa, entrando aqui a nossa identidade, linguagem, formação e lugares comuns.

«Ide contar o que vedes e ouvis: os cegos vêem e os coxos andam, os leprosos ficam limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e a Boa-Nova é anunciada aos pobres» (Mt 11,4-5).

 

Além da referência às Sagradas Escrituras, também a palavra do Papa Francisco esteve muito presente: “gostemos ou não, somos chamados a encarar a realidade como ela é. Os tempos mudam e devemos reconhecer que muitas vezes não sabemos como inserir-nos nos novos cenários; podemos sonhar com as «cebolas do Egito» (Nm 11, 5), esquecendo que a Terra Prometida está à frente, não atrás, e neste lamento pelos tempos passados, vamo-nos petrificando. Vamo-nos mumificando” (Papa Francisco, Discurso aos Religiosos, Moçambique 2019).

«O testemunho cristão não se faz com o bombardeio de mensagens religiosas, mas com a vontade de se doar aos outros «através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana».

Quem encontra realmente Jesus não pode permanecer como antes. Ele é a novidade que renova tudo. Quem vive este encontro transforma-se em testemunha e torna possível o encontro para os outros; e faz-se também promotor da cultura do encontro, evitando a auto-referencialidade, que nos leva a permanecer fechados em nós mesmos» (Papa Francisco, Mensagem para a XX Jornada Mundial da Vida Consagrada, 2016.

Intercalando entre exposição e diálogo, foram-nos deixadas algumas sugestões de leitura complementares: Encíclica Spes Salvi (ns. 16 – 23), Encíclica Laudato Si (ns. 115 – 123) e Carta Circular aos Consagrados e Consagradas do Magistério do Papa Francisco, Ano da Vida Consagrada, 2/2/2014.

Terminamos este encontro com a partilha de lanche e convívio entre todos, Batizados e enviados com o nosso Carisma ao mundo em que vivemos.

Irmã Arminda, mrscj