Os consagrados e consagradas da Diocese de Viseu reuniram-se presencialmente na tarde do dia 3 de julho, na casa das Irmãs do Sagrado Coração de Maria, para partilhar a experiência de vida consagrada em tempo de pandemia e renovar forças no nosso serviço do Reino. Estiveram presentes representantes de quase todos os Institutos de vida consagrada.

Com uma breve visita informal, mas muito calorosa, como é seu timbre, o nosso bispo D. António Luciano, quis mais uma vez assinalar a sua proximidade e comunhão connosco.

Uma apresentação com ecos da vida das comunidades ao longo deste tempo e uma breve reflexão do nosso presidente, o P. Pedro Guimarães, CM, sobre algumas das dificuldades e desafios que a pandemia nos trouxe enquanto consagrados foram o ponto de partida para um tempo de diálogo em grupos. Gerou-se assim um espaço de escuta e partilha muito vivo que nos ajudou a conhecer melhor e aproximar mais um dos outros. Muitas dificuldades têm assinalado a vivência das nossas comunidades. Aqui registamos as mais significativas: muitas formas de medo e ansiedade (de contagiar ou ser contagiado, solidão…); novidade e insegurança em lidar com relações mais diretas e próximas; isolamento quer nosso quer em relação a pessoas e grupos destinatários da nossa missão; não poder estar próximo de pessoas em necessidade e de acompanhar quem partia para o Pai; a impossibilidade para muitos da celebração presencial dos sacramentos; querer fazer algo e não saber como; não saber como socorrer os infetados; como responder a diversas manifestações do exterior que questionam a nossa fé; em certas fases, excesso de comunicações online. Por outro lado, identificámos desafios e esperanças que este tempo nos tem colocado, tais como: oportunidade de renovação da fé nas nossas comunidades; mais tempo para a leitura, o silêncio e a oração; a valorização dos meios digitais como meio de partilha de vida,  evangelização e comunhão com pessoas, comunidades e congregação; descoberta de formas alternativas para a missão e acompanhamento de pessoas e grupos; revisão da nossa participação nas celebrações de forma menos rotineira e mais consciente; necessidade de formação técnica e humana; os nossos lugares de confinamento como espaços de missão e de esperança e a abertura da nossa visão para realidade de estarmos todos no mesmo barco.

O encontro terminou com a celebração da Eucaristia, lembrando os(as) consagrados(as) e familiares falecidos(as) vítimas da covid-19 e dando graças pelos 150 anos de vida das Irmãs do Sagrado Coração de Maria, assim como este ano pastoral, que agora termina.

O secretariado da CIRP – Viseu agradece a presença, o acolhimento e o trabalho de todos os Institutos para a boa e responsável realização deste encontro e manifesta, ainda, a alegria por ver consolidada a comunhão e a esperança entre tantos irmãos e irmãs consagrados(as) nesta Diocese.